Momus | Monsters of Love Singles 1985-90

Partilhe

momus-discosDiz-se ou dizia-se que os Pet Shop Boys apenas queriam ser os New Order e que, nessa linha, Momus apenas queria ser os Pet Shop Boys. Ter visto os primeiros num concerto sentido (por mim) mas um bocado deprimente no Freeport em Alcochete serviu-me de lição para qualquer tentação de apanhar ao vivo canções que nascem do estúdio para a pista de dança e/ou os headphones, não o palco.

Parece que o escocês Nick Currie, artista mais conhecido por Momus, esteve há bem pouco tempo em Lisboa para apresentar as suas canções de sexo, ciúme e luta de classes. Pela segunda vez, recusei o convite de uma amiga (não a mesma) e preferi ficar em casa. Não que não goste de Momus, muito pelo contrário. Gosto demasiado do homem para me dispor a vê-lo ao vivo “assassinar” (de propósito mas até em algum estilo conceptual, convenhamos) as suas criações.

Diz-se ou dizia-se que os Pet Shop Boys apenas queriam ser os New Order e que, nessa linha, Momus apenas queria ser os Pet Shop Boys. Ter visto os primeiros num concerto sentido (por mim) mas um bocado deprimente no Freeport em Alcochete serviu-me de lição para qualquer tentação de apanhar ao vivo canções que nascem do estúdio para a pista de dança e/ou os headphones, não o palco.

Desconfio pois ser a decisão mais prudente, esta de não ver ao vivo o homem que gravou um dos discos da minha vida – este best of que vale por si intitulado Monsters of Love – Singles 1985-90 (ed. 1990). O disco capta, precisamente, o início de carreira de Currie, num registo bem mais acústico e clássico que o que viria a caracterizar as décadas seguintes de carreira do homem.

E depois porque de Momus ou de Nick guardo a história curiosa de me estar a corresponder com ele quando se deu o ataque às Torres Gémeas e de saber pelo próprio que estava bem e, como é natural, completamente à nora com o que se estava a passar. Momus vivia em Nova Iorque à altura do 11 de Setembro.

Sobre Monsters of Love, um pequeno artigo de blog não pode nunca fazer juz a um álbum genial do princípio ao fim.Aqui fica uma das minhas preferidas, Murderers the Hope of Women. E The Hairstyle of the Devil, para os que não conhecem e pensam ser disparatada a comparação com os Pet Shop Boys.

Partilhe

About Hugo Costa

Copywriter, letrista, ex-guitarrista de Líderes da Nova Mensagem e dR. estranhoamor. Co-autor do romance A Corporação Invisível.

26. Maio 2016 by Hugo Costa
Categories: Cultura Cool | Tags: , , , | Leave a comment